Tinta Amarela

Propriedades da casta
Nome Tinta Amarela / Trincadeira
Tipo da casta Tinta
Descrição A Trincadeira é uma casta especialmente cultivada nas regiões do Alentejo e do Douro (onde é designada por Tinta Amarela). É uma casta que apresenta cachos médios e compactos e bagos médios e arredondados. É sensível às doenças e à podridão (se os bagos apanharem chuva apodrecem facilmente), por isso desenvolve-se melhor em climas secos e muito quentes. Os vinhos produzidos são ricos em cor e aromas (especialmente frutados e vegetais), ligeiramente alcoólicos e com boas condições para o envelhecimento.
Ramo jovem Aberto; pigmentação antociânica na orla, de fraca intensidade; média densidade de pêlos aplicados e nula densidade de pêlos erectos.
Folha jovem Página superior amarela; média intensidade média da pigmentação antociânica das seis primeiras folhas; página inferior com média densidade de pêlos aplicados entre as nervuras e fraca sobre estas; nula densidade de pêlos erectos entre e sobre as nervuras.
Flor Hermafrodita.
Vigor Forte.
Porte Horizontal.
Pâmpanos Verdes nas faces dorsal e ventral dos entre-nós e nós; pigmentação antociânica dos olhos nula.
Gavinhas Comprimento curto; distribuição regular descontínua com fórmula 02.
Folha adulta Grande, limbo pentagonal com cinco lóbulos; página superior verde-claro, de perfil irregular; médio empolamento; enrugada; ausência de ondulação do limbo entre as nervuras principais; dentes grandes e médios em relação à largura da base, convexos; seio peciolar com lóbulos sobrepostos, com a base em V e sem particularidade; seios laterais superiores fechados com a base em V; nervuras principais da página superior sem pigmentação antociânica, bem como as da página inferior; nervuras principais da página superior sem pilosidade erecta; página inferior com média densidade de pêlos aplicados entre as nervuras e nula densidade de pêlos erectos; página inferior com forte densidade de pêlos aplicados e erectos das nervuras principais; pecíolo mais longo que a nervura principal mediana, com muito fraca densidade de pêlos aplicados e nula densidade de pêlos erectos.
Cacho Pequeno, esgalhado, medianamente compacto; pedúnculo curto e de fraca lenhificação.
Bago Pequeno, uniforme; forma arredondada; secção transversal regular; epiderme preta-azulada, de cor uniforme; forte pruína; película de média espessura, hilo pouco aparente; polpa não corada, mole, suculenta, sabor sem particularidades; pedicelo curto e de difícil separação.
Graínhas Com média dureza dos tegumentos; peso de 100 grainhas muito elevado; 0,66 mm de comprimento.
Sarmentos Secção transversal elíptica; superfície estriada; cor castanho-avermelhado; lentículas ausentes; nula densidade de pêlos erectos dos nós e nula extensão da pilosidade erecta dos entre-nós.

Sousão

Sousão

Abrolhamento: aberto, cotanilhoso, branco e fracamente carminado em geral.

Folha jovem: amarela acobreada; cotanilhosa e fracamente cerdosa sobre as nervuras principais na página inferior.

Flor: hermafrodita.

Pâmpanos: entre-nós e nós vermelhos pela face dorsal e verdes pela face ventral; média pigmentação antociânica dos gomos; porte erecto a meio-erecto.

Gavinhas: descontínuas, compridas, tearâneas e muito direitas.

Folha adulta: tamanho pequeno, às vezes médio, cuneiforme, trilobada a subquinquelobada, verde escura, plana e fracamente bolhosa; dentes curtos e médios, de lados rectilíneos, às vezes uns com um lado convexo e outro côncavo, e mucrões de cor amarela bem evidentes; seio peciolar aberto com base em V, e seios laterais superiores abertos com base em V e / ou em U, apresentando frequente assimetria a este nível; muito cotanilhosa e fracamente cerdosa na página inferior; pecíolo penugento e mais curto que a nerv

Cacho: tamanho médio, às vezes pequeno; compacidade média; pedúnculo comprido e de lenhificação fraca.

Bago: tamanho médio e uniforme; elíptico-curto, às vezes obovóide por compressão dos bagos; cor negra azul; com pruína, película de espessura média e hilo aparente; polpa não corada, rija, pouco suculenta e de sabor simples; pedicelo de comprimento médio e fácil separação.

Graínhas: de tegumento pouco duro, predominam em número de três por bago; tamanho médio, piriformes, de bico curto pouco pronunciado.

Sarmentos: de secção transversal achatada, superfície estriada e costada, e cor castanha amarelada; entre-nós de comprimento médio e nós relativamente volumosos; gomos pequenos, ponteagudos e salientes.

Pinot Noir


Pinot Noir

Amada e odiada, esta casta, para ser aproveitada em toda a sua maravilhosa plenitude, requer requisitos específicos – um clima frio e húmido, um solo com algum teor calcário. Para além disso, possui uma pele extremamente fina e vulnerável. Apesar da dificuldade em cultivar e até em transformar esta casta em vinho, uma vez conseguida valerá a pena todo o esforço – para além de um néctar divinal, é utilizada na produção dos melhores champanhes e vinhos espumantes.

  • Origem: Borgonha e Champagne, França
  • Outros países de cultivo: Estados Unidos (Califórnia e Oregão), Austrália, Nova Zelândia, África do Sul, Alemanha, Suíça.
  • Principais notas aromáticas: framboesa, morango, cereja maraschino, grãos de café ou moca.

Alicante Bouschet

Propriedades da casta
Nome Alicante Bouschet
Tipo da casta Tinta
Descrição
Abrolhamnento 2.ª Quinzena de Março, no Concelho de Reguengos de Monsaraz.
Ramo jovem aberto; pigmentação antociânica generalizada, de forte intensidade; média densidade de pêlos aplicados e nula densidade de pêlos erectos.
Folha jovem página superior verde com placas acobreadas; forte intensidade média da pigmentação antociânica das seis primeiras folhas; página inferior com média densidade de pêlos aplicados entre e sobre as nervuras; nula densidade de pêlos erectos entre e sobre as mesmas.
Flor hermafrodita.
Vigor médio.
Porte horizontal.
Pâmpanos com estrias vermelhas nas faces dorsal e ventral dos entre-nós e nós; pigmentação antociânica dos olhos nula.
Gavinhas comprimento curto; distribuição regular descontínua com fórmula 02.
Folha adulta média, limbo orbicular com três lóbulos; página superior verde escuro, de perfil revoluto; sem empolamento; sem enrugamento; ausência de ondulação do limbo entre as nervuras principais; dentes médios e médios em relação à largura da base, rectilíneos; seio peciolar pouco aberto com a base em V e sem particularidade; nervuras principais da página superior sem pigmentação antociânica, bem como as da página inferior; nervuras principais da página superior sem pilosidade erecta; página inferior com fraca densidade de pêlos aplicados entre as nervuras e nula densidade de pêlos erectos; página inferior com fraca densidade de pêlos aplicados das nervuras principais e nula densidade de pêlos erectos das mesmas; pecíolo mais longo que a nervura principal mediana, com muito fraca densidade de pêlos aplicados e nula densidade de pêlos erectos.
Cacho pequeno, esgalhado, frouxo; pedúnculo muito curto e de média lenhificação.
Bago pequeno, uniforme; forma ligeiramente achatada; secção transversal regular; epiderme preta-azulada, de cor uniforme; forte pruína; película forte, hilo pouco aparente; polpa corada, medianamente consistente, suculenta, sabor sem particularidades; pedicelo curto e de fácil separação.
Graínhas com fraca dureza dos tegumentos; peso de 100 grainhas médio.
Sarmentos secção transversal elíptica; superfície estriada; cor amarelo; lentículas ausentes; nula densidade de pêlos erectos dos nós e nula extensão da pilosidade erecta dos entre-nós.

Tinta Barroca

Propriedades da casta
Nome Tinta Barroca
Tipo da casta Tinta
Descrição A casta Tinta Barroca é plantada quase exclusivamente na região do Douro e muito utilizada na produção de vinhos de lote. É uma das castas que compõe alguns vinhos do Porto, contudo os seus vinhos monovarietais não são muito célebres. A Tinta Barroca é bastante popular entre os produtores, pois é fácil de cultivar e muito produtiva. É uma casta muito regular na produção e resistente a doenças e pragas. Além disso, tem uma maturação precoce e os seus bagos concentrados de açúcar originam vinhos com elevada concentração alcoólica. Os vinhos produzidos a partir da casta Tinta Barroca são fáceis de beber e de taninos suaves. Contudo, a maior parte das vezes, não são muito equilibrados nem concentrados.
Ramo jovem Ápice vegetativo aberto, com pigmentação antociânica generalizada, de média a forte intensidade e fraca densidade de pêlos aplicados.
Folha jovem Amarela acobreada e com média pigmentação antociânica. Página inferior da 4.ª folha expandida com média pilosidade aplicada entre e sobre as nervuras, não se notando pilosidade erecta.
Flor Hermafrodita. Primeira inflorescência inserida a partir do 4.º ou 5.º nó, com duas inflorescências por ramo e compridas.
Vigor Médio.
Pâmpanos Com estrias vermelhas na face dorsal dos nós e entre-nós e verdes na face ventral dos mesmos. Gomos com fraca pigmentação antociânica.
Gavinhas Longas. Distribuição regular descontínua com fórmula 02.
Folha adulta Média, pentagonal e geralmente com três a cinco lóbulos. Página superior verde-claro, de perfil irregular e fraco empolamento. Limbo enrugado com ondulação geralmente localizada junto do ponto peciolar. Dentes médios e rectilíneos. Seio peciolar muito aberto com a base em V. Seios laterais superiores abertos a fechados em V. Nervuras sem pigmentação antociânica. Página inferior glabra. Pecíolo mais curto que a nervura principal mediana e glabro.
Cacho Médio e frouxo. Pedúnculo médio a longo e de fraca lenhificação.
Bago Médio, mais ou menos uniforme, de forma elíptica curta e de secção transversal regular. Epiderme negra-azul, de cor uniforme e com média intensidade de pruína. Película de média espessura e hilo pouco aparente. Polpa não corada, mole, suculenta e de sabor indefinido. Pedicelo médio e de difícil separação.
Graínhas Com forte dureza do tegumento.
Sarmentos Elípticos, estriados e de cor castanha avermelhada.

Tinta Roriz

Propriedades da casta
Nome Tinta Roriz / Aragonez
Tipo da casta Tinta
Descrição A Aragonez é uma das castas mais conhecidas da Península Ibérica. Originária de Espanha, onde toma o nome de “Tempranillo”, é também conhecida por Tinta Roriz na região do Douro. É uma casta muito adaptável a diferentes climas e solos, por isso o seu cultivo tem aumentado e alargado para as regiões do Dão, Ribatejo e Estremadura. Para as características da casta Aragonez serem excelentes, a sua produção tem de ser controlada. As condições ideais são solos arenosos e argilo-calcários em climas quentes e secos, para que a produção seja menor e os bagos mais concentrados. Esta casta origina vinhos de elevado teor alcoólico, de baixa acidez e indicados para envelhecer, sendo muito resistentes à oxidação.
Ramo jovem Aberto; pigmentação antociânica generalizada, de média intensidade; média densidade de pêlos aplicados e muito fraca densidade de pêlos erectos.
Folha jovem Página superior amarela; média intensidade média da pigmentação antociânica das seis primeiras folhas; página inferior com média densidade de pêlos aplicados entre as nervuras e fraca sobre estas; nula densidade de pêlos erectos entre e sobre as nervuras.
Flor Hermafrodita.
Vigor Forte.
Porte Semi-erecto.
Pâmpanos Com estrias vermelhas nas faces dorsal e ventral dos entre-nós e nós; pigmentação antociânica dos olhos nula.
Gavinhas Comprimento curto; distribuição regular descontínua com fórmula 02.
Folha adulta Grande, limbo pentagonal com cinco lóbulos; página superior verde-escuro, de perfil involuto; médio empolamento; enrugada; ondulação do limbo entre as nervuras principais localizada no ponto peciolar; dentes longos e médios em relação à largura da base, convexos; seio peciolar com lóbulos sobrepostos, com a base em V e sem particularidade; seios laterais superiores fechados com a base em V; nervuras principais da página superior sem pigmentação antociânica, bem como as da página inferior; nervuras principais da página superior sem pilosidade erecta; página inferior com forte densidade de pêlos aplicados entre as nervuras e muito forte densidade de pêlos erectos; página inferior com nula densidade de pêlos aplicados das nervuras principais e muito forte densidade de pêlos erectos das mesmas; pecíolo mais curto que a nervura principal mediana, com fraca densidade de pêlos aplicados e forte densidade de pêlos erectos.
Cacho Médio, cilíndrico-cónico, medianamente compacto; pedúnculo curto e de fraca lenhificação.
Bago Pequeno, uniforme; forma ligeiramente achatada; secção transversal não uniforme; epiderme negra-azul, de cor uniforme; média pruína; película forte, hilo pouco aparente; polpa não corada, mole, suculenta, sabor sem particularidades; pedicelo muito curto e de difícil separação.
Graínhas Com difícil dureza dos tegumentos; peso de 100 grainhas muito elevado; 0,65 mm de comprimento.
Sarmentos Secção transversal elíptica; superfície estriada; cor amarela; lentículas ausentes; nula densidade de pêlos erectos dos nós e nula extensão da pilosidade erecta dos entre-nós.

Touriga Franca

Propriedades da casta
Nome Touriga Franca
Tipo da casta Tinta
Descrição A Touriga Franca é uma das castas mais plantadas na zona do Douro e Trás-os-Montes. É considerada umas das melhores castas para a produção de vinho do Porto e do Douro, mas o seu cultivo já foi alargado para as regiões da Bairrada, Ribatejo, Setúbal ou Estremadura. A Touriga Franca tem produções regulares ao longo do ano e é bastante resistente a doenças. Os seus cachos são médios ou grandes com bagos médios e arredondados. Os vinhos produzidos por esta casta têm uma cor intensa e são bastante frutados. No vinho do Porto, a Touriga Franca integra os lotes com a Tinta Roriz e a Touriga Nacional.
Ramo jovem Ápice vegetativo aberto, com pigmentação antociânica generalizada, de média intensidade e fraca densidade de pêlos aplicados.
Folha jovem Acobreada e com média a forte pigmentação antociânica. Página inferior da quarta folha expandida com média pilosidade aplicada entre as nervuras, fraca sobre as mesmas, não se notando pilosidade erecta.
Flor Hermafrodita. Primeira inflorescência inserida no 4.º a 5.º nó, com uma a duas inflorescências por ramo e de médio comprimento.
Vigor Médio
Pâmpanos Com estrias vermelhas na face dorsal dos nós e entre-nós e verdes na face ventral dos mesmos. Gomos com fraca pigmentação antociânica.
Gavinhas Curtas. Distribuição regular descontínua com fórmula 02.
Folha adulta Média, pentagonal e com três a cinco lóbulos. Página superior verde forte, de perfil irregular e de médio empolamento. Limbo ligeiramente enrugado com ondulação generalizada. Dentes curtos e convexos. Seio peciolar fechado a ligeiramente sobreposto com a base em V. Seios laterais superiores abertos a fechados e em V. Nervuras sem pigmentação antociânica. Página inferior com média pilosidade aplicada entre as nervuras, fraca sobre as mesmas, sendo a pilosidade erecta média entre as nervuras e média a forte sobre estas. Pecíolo mais curto que a nervura principal mediana, com fraca pilosidade aplicada e média erecta.
Cacho Médio e compacto. Pedúnculo curto e de forte lenhificação.
Bago Médio, uniforme, de forma achatada e arredondada e de secção transversal irregular. Epiderme negra-azul, de cor uniforme e com média intensidade de pruína. Película média a espessa e hilo pouco aparente. Polpa não corada, rija, pouco suculenta e de sabor indefinido. Pedicelo curto e de difícil separação.
Graínhas Com forte dureza do tegumento.
Sarmentos Achatados, estriados e de cor castanha amarelada.

Touriga Nacional

Propriedades da casta
Nome Touriga Nacional
Tipo da casta Tinta
Descrição É uma casta nobre e muito apreciada em Portugal. Inicialmente cultivada na região do Dão, rapidamente foi expandida à zona do Douro para ser utilizada na produção de vinho do Porto. Recentemente, os produtores descobriram o valor da Touriga Nacional na produção de vinhos de mesa tintos e o seu cultivo foi alargado para outras regiões como o Alentejo. É uma casta de pouca produção: possui cachos abundantes, mas pequenos. Os bagos têm uma elevada concentração de açúcar, cor e aromas. Os vinhos produzidos ou misturados com a casta Touriga Nacional são bastante equilibrados, alcoólicos e com boa capacidade de envelhecimento.
Ramo jovem Ápice vegetativo aberto, com pigmentação antociânica generalizada, de média intensidade e fraca densidade de pêlos aplicados.
Folha jovem Amarela acobreada e com média pigmentação antociânica. Página inferior da quarta folha expandida com forte pilosidade aplicada entre as nervuras, fraca sobre as mesmas, não se notando pilosidade erecta.
Flor Hermafrodita. Primeira inflorescência inserida a partir do 3.º nó, com duas a três inflorescências por ramo e de curto comprimento.
Vigor Médio a forte.
Pâmpanos Verdes na face dorsal e ventral dos nós e entre-nós. Gomos com fraca pigmentação antociânica.
Gavinhas Longas. Distribuição regular descontínua com fórmula 02.
Folha adulta Muito heterogénea e apresentando um grande polimorfismo, sendo a mais característica: média a pequena, pentagonal e com cinco lóbulos. Página superior verde médio de perfil irregular e médio empolamento. Limbo ligeiramente enrugado com ondulação generalizada. Dentes curtos, aparecendo dentes côncavos, rectilíneos, convexos e convexo-côncavos. Seio peciolar pouco aberto a ligeiramente sobreposto, com a base em V. Seios laterais superiores abertos em U. Nervuras principais com fraca pigmentação antociânica. Página inferior com média pilosidade aplicada entre as nervuras, aparecendo sobre as mesmas fraca pilosidade aplicada e erecta. Pecíolo mais curto que a nervura principal mediana e com média pilosidade aplicada.
Cacho Pequeno e medianamente compacto. Pedúnculo longo e de fraca lenhificação.
Bago Médio, uniforme, de forma arredondada e elíptica curta e de secção transversal regular. Epiderme negra-azul, de cor uniforme e com forte intensidade de pruína. Película espessa e hilo pouco aparente. Polpa não corada, mole, suculenta e de sabor indefinido. Pedicelo curto e de difícil separação.
Graínhas Com forte dureza do tegumento.
Sarmentos Achatados, costados e de cor arroxeada.